sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Poesia 18

 Doce cansaço
Descobri que me canso de tudo
canso de falar e de ficar mudo.
Me canso logo  e  facilmente de amar
de ser doce, amável, cortês e de odiar.
Sou contra qualquer coisa
 só para não me contrariar.
Sou contra a bondade e a maldade
contrario o contrário de felicidade.
Riu para não chorar e choro de alegria
para ter que suportar a dor deste dia.


Poesia 17

O tempo e a bengala

Em um ataque de intelectualidade
redescobriu que possuía mais idade.

Elementos que dissociaram-se
na puberdade, mero destino
 ou capricho da velocidade.

Células enrugadas, secas pelo
o sol e o vento,cavas emburacadas.

No escopo, os restos estriados de um ser coxo
e mal amado que cai sobre seu torso.